Pnld 2019 - FTD Educação - Posts

contraste

A-

A+

menu

OS IMPACTOS DA BNCC

JUL

02,2018

OS IMPACTOS DA BNCC

A BNCC funcionará como uma espinha dorsal do sistema educacional brasileiro, promovendo a articulação dos seus diferentes segmentos.

Currículos: elaboração e revisão
A BNCC substitui integralmente os antigos PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais), que eram utilizados como referência para a elaboração dos currículos em todo o Brasil. Com a vantagem de que a Base, prevista em lei, é fixada por norma nacional. Isso significa que nos próximos vinte anos a BNCC provavelmente continuará sendo a principal referência organizativa da Educação Básica brasileira em todas as suas dimensões. Já esclarecemos que a BNCC não é currículo. Ela é um conjunto de referenciais organizados para que professores, escolas e redes de escola elaborem, revejam, crítica e criativamente, as suas propostas curriculares, reavaliando estratégias ou confirmando suas opções.
 
Portanto, o trabalho de revisão ou elaboração de propostas curriculares deve começar imediatamente. E deve ser concluído preferencialmente até o final de 2018, apesar de a Resolução CNE/CP 2/2017 estabelecer prazo máximo até final de 2019. Essa é uma tarefa a ser realizada por toda a equipe escolar de forma colaborativa e participativa. Escolas e redes de ensino devem planejar essas atividades e assegurar os meios para que sejam realizadas com êxito.
 
Resolução CNE/CP 2/2017
Art. 15. As instituições ou redes de ensino podem, de imediato, alinhar seus currículos e propostas pedagógicas à BNCC.
Parágrafo único. A adequação dos currículos à BNCC deve ser efetivada preferencialmente até 2019 e, no máximo, até início do ano letivo de 2020.
 
Livros didáticos
A partir de agora, com a BNCC e os currículos decorrentes dela, as professoras e os professores, responsáveis pela escolha dos livros a serem adotados em suas escolas, terão referenciais mais claros, possibilitando que essas escolhas sejam mais objetivas e menos desniveladas. Nesse momento, editoras como a FTD Educação – com seus autores de livros e demais materiais e serviços – já estão atualizando seus materiais e elaborando novos produtos. Tudo isso tendo por base a BNCC.
 
Resolução CNE/CP 2/2017
Art. 19. Os programas e projetos pertinentes ao MEC devem ser alinhados à BNCC, em até 1 (um) ano após sua publicação.
Art. 20. O PNLD – Programa Nacional do Livro Didático – deve atender o instituído pela BNCC, respeitando a diversidade de currículos, construídos pelas diversas instituições ou redes de ensino, sem uniformidade de concepções pedagógicas.
 
Formação de professores
Outra dimensão importante se refere aos programas de formação inicial de professores.
É consenso que entre as principais causas da baixa qualidade da educação do país está o deficiente sistema de formação profissional para o setor. 
Os diagnósticos convergem ao apontar que a maior parte dos cursos de licenciatura não forma profissionais suficientemente preparados para enfrentar os desafios de o que ensinar e como ensinar. A BNCC deverá levar a uma revisão das diretrizes curriculares das licenciaturas, bem como dos sistemas de avaliação e regulação desses cursos, com vantagens para o sistema educacional.
Ainda no que diz respeito à formação profissional, muitos professores já formados e em atividade são portadores de severas lacunas. Em resposta a esse quadro, todos os anos as secretarias de educação, sindicatos, faculdades e ONGs organizam uma plêiade de programas de formação continuada e atualização, mobilizando milhões de educadores e bilhões em recursos financeiros. Contudo, no mais das vezes, são ações dispersas e fragmentadas, com baixa repercussão na qualidade de ensino e da aprendizagem. Esses programas podem ser amplamente beneficiados pela existência da BNCC, implicando atividades formativas mais focadas, objetivas e coerentes com relação aos desafios de implementação do currículo e do projeto educacional da escola.
 
Resolução CNE/CP 2/2017
Art. 17. Na perspectiva de valorização do professor e da sua formação inicial e continuada, as normas, os currículos dos cursos e programas a eles destinados devem adequar-se à BNCC, nos termos do §8o do Art. 61 da LDB, devendo ser implementados no prazo de dois anos, contados da publicação da BNCC, de acordo com Art. 11 da Lei no
13.415/2017.
§ 1o A adequação dos cursos e programas destinados à formação continuada de professores pode ter início a partir da publicação da BNCC.
§ 2o Para a adequação da ação docente à BNCC, o MEC deve proporcionar ferramentas tecnológicas que propiciem a formação pertinente, no prazo de até 1 (um) ano, a ser desenvolvida em colaboração com os sistemas de ensino.
Art. 18. O ciclo de avaliação do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade), seguinte à publicação da BNCC, deve observar as determinações aqui expostas em sua matriz de referência.
 
Seleção e admissão de professores
No Brasil os concursos e outros procedimentos de seleção e admissão de profissionais para o magistério adotam critérios bastante heterogêneos. É frequente a aplicação de provas e exames que nada medem em termos de conhecimentos e capacidades dos profissionais a serem incorporados aos quadros do serviço público educacional. A BNCC pode contribuir para uma melhoria dos padrões avaliativos e proporcionar avanços na qualidade dos novos profissionais que exercerão o magistério.
 
Avaliações
O conhecimento sobre o desempenho da escola, órgãos do Estado e da família em face do direito do aluno ao aprendizado é simplesmente indispensável. Assim como é essencial que ele, estudante, possa analisar os resultados do seu próprio esforço em aprender e se desenvolver. ANA, Prova Brasil e os diferentes sistemas de avaliação realizados pelos estados e pelos municípios terão a BNCC, a partir de agora, como um parâmetro para que eles sejam concebidos, efetuados e interpretados. E deles derivarão todas as consequências para que se monitore a realização da aprendizagem como direito e do ensino como dever.
 
Resolução CNE/CP 2/2017
Art. 16. Em relação à Educação Básica, as matrizes de referência das avaliações e dos exames, em larga escala, devem ser alinhadas à BNCC, no prazo de 1 (um) ano a partir da sua publicação.
 
Outras orientações estabelecidas na Resolução CNE/CP 2/2017
Com base no Parecer CNE/CP 15/2017, a Resolução CNE/CP 2/2017, de 22 de dezembro de 2017, estabelece algumas orientações ainda não citadas que vale a pena destacar:
 
Prazo de revisão
Art. 21. A BNCC deverá ser revista após 5 (cinco) anos do prazo de efetivação indicado no art. 15.
Orientação sexual, identidade de gênero e ensino religioso
Art. 22. O CNE elaborará normas específicas sobre computação, orientação sexual e identidade de gênero.
Art. 23. O CNE, mediante proposta de comissão específica, deliberará se o ensino
religioso terá tratamento como área do conhecimento ou como componente curricular da área de Ciências Humanas, no Ensino Fundamental.
 
Resolução de questões
Art. 24. Caberá ao CNE, no âmbito de suas competências, resolver as questões suscitadas pela presente norma.

Últimas postagens

compartilhar

OS IMPACTOS DA BNCC

A BNCC funcionará como uma espinha dorsal do sistema educacional brasileiro, promovendo a articulação dos seus diferentes segmentos.

Currículos: elaboração e revisão
A BNCC substitui integralmente os antigos PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais), que eram utilizados como referência para a elaboração dos currículos em todo o Brasil. Com a vantagem de que a Base, prevista em lei, é fixada por norma nacional. Isso significa que nos próximos vinte anos a BNCC provavelmente continuará sendo a principal referência organizativa da Educação Básica brasileira em todas as suas dimensões. Já esclarecemos que a BNCC não é currículo. Ela é um conjunto de referenciais organizados para que professores, escolas e redes de escola elaborem, revejam, crítica e criativamente, as suas propostas curriculares, reavaliando estratégias ou confirmando suas opções.
 
Portanto, o trabalho de revisão ou elaboração de propostas curriculares deve começar imediatamente. E deve ser concluído preferencialmente até o final de 2018, apesar de a Resolução CNE/CP 2/2017 estabelecer prazo máximo até final de 2019. Essa é uma tarefa a ser realizada por toda a equipe escolar de forma colaborativa e participativa. Escolas e redes de ensino devem planejar essas atividades e assegurar os meios para que sejam realizadas com êxito.
 
Resolução CNE/CP 2/2017
Art. 15. As instituições ou redes de ensino podem, de imediato, alinhar seus currículos e propostas pedagógicas à BNCC.
Parágrafo único. A adequação dos currículos à BNCC deve ser efetivada preferencialmente até 2019 e, no máximo, até início do ano letivo de 2020.
 
Livros didáticos
A partir de agora, com a BNCC e os currículos decorrentes dela, as professoras e os professores, responsáveis pela escolha dos livros a serem adotados em suas escolas, terão referenciais mais claros, possibilitando que essas escolhas sejam mais objetivas e menos desniveladas. Nesse momento, editoras como a FTD Educação – com seus autores de livros e demais materiais e serviços – já estão atualizando seus materiais e elaborando novos produtos. Tudo isso tendo por base a BNCC.
 
Resolução CNE/CP 2/2017
Art. 19. Os programas e projetos pertinentes ao MEC devem ser alinhados à BNCC, em até 1 (um) ano após sua publicação.
Art. 20. O PNLD – Programa Nacional do Livro Didático – deve atender o instituído pela BNCC, respeitando a diversidade de currículos, construídos pelas diversas instituições ou redes de ensino, sem uniformidade de concepções pedagógicas.
 
Formação de professores
Outra dimensão importante se refere aos programas de formação inicial de professores.
É consenso que entre as principais causas da baixa qualidade da educação do país está o deficiente sistema de formação profissional para o setor. 
Os diagnósticos convergem ao apontar que a maior parte dos cursos de licenciatura não forma profissionais suficientemente preparados para enfrentar os desafios de o que ensinar e como ensinar. A BNCC deverá levar a uma revisão das diretrizes curriculares das licenciaturas, bem como dos sistemas de avaliação e regulação desses cursos, com vantagens para o sistema educacional.
Ainda no que diz respeito à formação profissional, muitos professores já formados e em atividade são portadores de severas lacunas. Em resposta a esse quadro, todos os anos as secretarias de educação, sindicatos, faculdades e ONGs organizam uma plêiade de programas de formação continuada e atualização, mobilizando milhões de educadores e bilhões em recursos financeiros. Contudo, no mais das vezes, são ações dispersas e fragmentadas, com baixa repercussão na qualidade de ensino e da aprendizagem. Esses programas podem ser amplamente beneficiados pela existência da BNCC, implicando atividades formativas mais focadas, objetivas e coerentes com relação aos desafios de implementação do currículo e do projeto educacional da escola.
 
Resolução CNE/CP 2/2017
Art. 17. Na perspectiva de valorização do professor e da sua formação inicial e continuada, as normas, os currículos dos cursos e programas a eles destinados devem adequar-se à BNCC, nos termos do §8o do Art. 61 da LDB, devendo ser implementados no prazo de dois anos, contados da publicação da BNCC, de acordo com Art. 11 da Lei no
13.415/2017.
§ 1o A adequação dos cursos e programas destinados à formação continuada de professores pode ter início a partir da publicação da BNCC.
§ 2o Para a adequação da ação docente à BNCC, o MEC deve proporcionar ferramentas tecnológicas que propiciem a formação pertinente, no prazo de até 1 (um) ano, a ser desenvolvida em colaboração com os sistemas de ensino.
Art. 18. O ciclo de avaliação do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade), seguinte à publicação da BNCC, deve observar as determinações aqui expostas em sua matriz de referência.
 
Seleção e admissão de professores
No Brasil os concursos e outros procedimentos de seleção e admissão de profissionais para o magistério adotam critérios bastante heterogêneos. É frequente a aplicação de provas e exames que nada medem em termos de conhecimentos e capacidades dos profissionais a serem incorporados aos quadros do serviço público educacional. A BNCC pode contribuir para uma melhoria dos padrões avaliativos e proporcionar avanços na qualidade dos novos profissionais que exercerão o magistério.
 
Avaliações
O conhecimento sobre o desempenho da escola, órgãos do Estado e da família em face do direito do aluno ao aprendizado é simplesmente indispensável. Assim como é essencial que ele, estudante, possa analisar os resultados do seu próprio esforço em aprender e se desenvolver. ANA, Prova Brasil e os diferentes sistemas de avaliação realizados pelos estados e pelos municípios terão a BNCC, a partir de agora, como um parâmetro para que eles sejam concebidos, efetuados e interpretados. E deles derivarão todas as consequências para que se monitore a realização da aprendizagem como direito e do ensino como dever.
 
Resolução CNE/CP 2/2017
Art. 16. Em relação à Educação Básica, as matrizes de referência das avaliações e dos exames, em larga escala, devem ser alinhadas à BNCC, no prazo de 1 (um) ano a partir da sua publicação.
 
Outras orientações estabelecidas na Resolução CNE/CP 2/2017
Com base no Parecer CNE/CP 15/2017, a Resolução CNE/CP 2/2017, de 22 de dezembro de 2017, estabelece algumas orientações ainda não citadas que vale a pena destacar:
 
Prazo de revisão
Art. 21. A BNCC deverá ser revista após 5 (cinco) anos do prazo de efetivação indicado no art. 15.
Orientação sexual, identidade de gênero e ensino religioso
Art. 22. O CNE elaborará normas específicas sobre computação, orientação sexual e identidade de gênero.
Art. 23. O CNE, mediante proposta de comissão específica, deliberará se o ensino
religioso terá tratamento como área do conhecimento ou como componente curricular da área de Ciências Humanas, no Ensino Fundamental.
 
Resolução de questões
Art. 24. Caberá ao CNE, no âmbito de suas competências, resolver as questões suscitadas pela presente norma.

17 dias atrás

compartilhar

O QUE É A BNCC?

Uma base definidora dos Direitos de Aprendizagem

A Base Nacional Comum Curricular é um documento normativo que define os direitos e objetivos de aprendizagem e desenvolvimento para todas as crianças, jovens e adultos em escolas de Educação Básica públicas e privadas de todo o Brasil. Ao definir direitos, define também os deveres: deveres do Estado, dos governos, das famílias, das escolas, dos profissionais da educação e até mesmo os deveres dos estudantes, já que estudar e aprender é também um desafio para eles. Portanto, a BNCC é uma contribuição para a equidade, para a igualdade de oportunidades educacionais.
 
A Resolução CNE/CP 2/2017 é clara: direitos e objetivos de aprendizagem e desenvolvimento podem ser expressos em competências e habilidades. A BNCC elenca dez competências gerais que devem guiar a ação educativa em todas as etapas e modalidades da educação básica.

[...] competência é definida como a mobilização de conhecimentos (conceitos e procedimentos), habilidades (práticas, cognitivas e socioemocionais), atitudes e valores para resolver demandas complexas da vida cotidiana, do pleno exercício da cidadania e do mundo do trabalho. (BNCC, p. 8)

17 dias atrás

compartilhar

HISTÓRICO: POR QUE ELABORAR UMA BNCC?

Apesar dos imensos esforços e da enorme dedicação dos educadores de nosso país, a história da educação brasileira poderia ser contada como a história das suas incompletudes e carências. Mas também poderia ser contada pelos avanços realizados por aqueles que acreditam que só com educação seremos uma sociedade democrática, desenvolvida e socialmente justa.

Não podemos achar natural que, ainda nos dias de hoje, mais da metade das crianças brasileiras concluam o ciclo de alfabetização sem que estejam alfabetizadas depois de passarem mais de três anos na escola (BRASIL, Inep, 2017). Também não é aceitável que apenas 7% dos jovens brasileiros terminem o Ensino Médio sabendo Matemática e só 26% deles tenham conhecimentos necessários de Língua Portuguesa (BRASIL, Inep, 2018). Não por acaso, esses problemas são crônicos, mas podem ser enfrentados e resolvidos. Depende de vontade e determinação. Em que pese o trabalho de resistência de professores, autores de livros e ativistas na luta por direitos sociais, e considerando os esforços que vêm sendo realizados pelas escolas e outras instituições educacionais, o fato é que a educação de qualidade ainda é um direito para poucos em nosso país. Entretanto, em diversos momentos em que a nação tentou se encontrar consigo mesma e com o seu futuro, a causa da Educação sempre ocupou posição de destaque. Assim foi na Constituição de 1988, na Lei de Diretrizes e Bases da Educação, a LDB, de 1996, e na Lei do Plano Nacional de Educação, de 2014.

Em todos esses casos, indicou-se uma Base Nacional Comum Curricular como fator importante para a equidade e unidade nacional. A BNCC recém-aprovada pelo Conselho Nacional de Educação é obra de milhares de mãos em diferentes tempos da história recente.
 

17 dias atrás

©todos os direitos reservados. FTD Educação.

FTD Educação

Quem somos

Siga-nos

Fique por dentro das novidades

Todos os direitos reservados. FTD Educação